Defendidas por Witzel, operações após mortes de policiais geram mais mortes

Por Júlia Barbon

Para a Folha de S. Paulo

Era um domingo, mas Bruno acordou às 5h50, no susto. A casa tremia inteira, o barulho do helicóptero parecia cada vez mais próximo e as longas e pesadas rajadas de tiros tornavam as tentativas de voltar a deitar a cabeça no travesseiro impossíveis.

Leia a matéria completa

O Instituto Igarapé utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e nossos Termos de uso e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.