A rede de atenção à pessoa egressa do sistema prisional do Rio de Janeiro: histórico, desafio e lições

Este relatório se propõe a analisar e sistematizar os resultados da Rede de Atenção à Pessoa Egressa do Sistema Prisional do Rio de Janeiro (Raesp-RJ), criada em 2006, e por quase quinze anos se manteve como a única experiência desse tipo no Brasil. Redes são formas complexas de organização por sua natureza porosa e horizontalizada. As entrevistas que deram origem a este documento buscaram compreender o desenvolvimento da Raesp-RJ, suas dificuldades e soluções propostas. A rede mudou ao longo do tempo, passou por reformulações e superou momentos de baixo engajamento.

No momento em que a formação de novas redes de atenção é fomentada no Brasil, sistematizar as lições aprendidas e os desafios enfrentados pela Raesp-RJ pode trazer informações úteis para a consolidação das novas redes.

Para a elaboração deste relatório, foram realizadas nove entrevistas com cinco atores-chave da Raesp-RJ. Dois são membros fundadores da rede, um estava presente desde o primeiro ano de atuação, e dois passaram a fazer parte alguns anos após a criação.

No âmbito do mesmo projeto, o Instituto também publicou um outro relatório contendo um mapeamento dos atores-chave e suas respectivas demandas.

Leia a publicação.

 

Leia a publicação sobre atores-chave e suas demandas

 

O Instituto Igarapé utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e nossos Termos de Uso e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.