Tecnologia e discriminação

Ilona Szabo 02

Publicado em Folha de S.Paulo

Por Ilona Szabó

O mundo está se digitalizando mais rápido do que nunca. Mais de 4 bilhões de pessoas estão conectadas à internet, cerca de 2 bilhões estão concentrados em grandes redes sociais e mais de um quarto da economia global já é digital. No entanto, precisamos atentar também para o lado sombrio desse novo mundo. As ameaças e crimes cibernéticos estão explodindo e diversas plataformas digitais estão sendo usadas por governos populistas-autoritários ou ditatoriais, e por grupos extremistas.

Mas não é só: na área de segurança pública, o debate sobre os prós e contras da digitalização se faz urgente. Na última década, vimos um aumento maciço no uso de tecnologias de reconhecimento facial, circuitos fechados de monitoramento, biometria, policiamento em manchas criminais, câmeras corporais para policiais, análises criminais preditivas, entre outras. Muitas dessas tecnologias visam de um lado aumentar a efetividade, responsabilidade e transparência da ação policial, e de outro proteger pessoas, seus bens e propriedades.

Leia mais