Polícias podem apoiar aventura golpista de Bolsonaro?

Foi publicado na Folha de S.Paulo

Com Melina Risso

Se a política entra pela porta da frente de um quartel, a hierarquia e a disciplina saem pela porta dos fundos. A frase, dita no contexto da greve de policiais militares do Ceará, em fevereiro de 2020, é do general da reserva e vice-presidente da República, Hamilton Mourão.

Ele, que já foi trocado de cargo por criticar os governos de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB), deve saber o que diz. Desde a redemocratização, não se viam tantos militares e policiais na política institucional brasileira. E, desde então, nunca estiveram tão presentes no radar de preocupações do país o aparelhamento das instituições democráticas e a possibilidade de instrumentalização das forças de segurança pela retórica golpista do atual presidente.

“Bolsonaro está formando uma estrutura hobbesiana, dizendo que arma é liberdade e ampliando o conceito de excludente de ilicitude. É aí que acaba o Estado democrático de Direito”, diz Melina Risso, diretora de programas do Instituto Igarapé. “Bolsonaro é o cara da lei e da ordem, linha-dura, mas a lógica dele é desmontar o regramento, construindo o caos. Hoje, há cada vez mais grupos radicais armados”, afirma.

“Ainda assim, o maior problema é a autonomia que impera nas instituições policiais”, alerta.

Leia mais

O Instituto Igarapé utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e nossos Termos de uso e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.