Evidências sobre violência contra mulheres no Brasil, na Colômbia e no México

A violência contra a mulher tem ganhado notoriedade no debate público. Observa-se um importante avanço, nos últimos anos, nos marcos normativos e na multiplicação de políticas públicas voltadas para o combate desse problema. Por um lado, novas leis passam a reconhecer que esse tipo de violência tem diversas dimensões e que suas características intrínsecas, baseadas em construções históricas e sociais sobre o papel das mulheres na sociedade, influenciam os padrões de vitimização. Ainda assim, os crimes contra a mulher permanecem subnotificados. Ao mesmo tempo, os dados dessa área continuam desafiadores: precisam de qualidade e sistematização padronizadas.
Com vistas a trazer as primeiras reflexões sobre a violência que atinge as mulheres no Brasil, Colômbia e México, apresenta-se a seguir uma análise dos dados inseridos na plataforma EVA, desenvolvida pelo Instituto Igarapé. O entendimento sobre como esses diversos tipos de violência ocorrem contribuirá para o planejamento de políticas mais efetivas de proteção.
Este artigo está dividido em quatro partes. A primeira esclarece quais foram os bancos de dados utilizados, bem como suas principais limitações e vantagens. A segunda consiste na maior seção do texto e corresponde à análise dos dados apresentados na plataforma EVA, inclusive formas de violência letal e não letal. Por fim, a conclusão apresenta algumas recomendações práticas para melhorar políticas públicas focadas na prevenção, redução e eliminação da violência contra mulheres.