Verde, Limpo e Seguro: Novas dimensões de análise e métricas para a Agricultura Brasileira no Século 21

O Instituto Igarapé lança uma iniciativa para ampliar a transparência, rastreabilidade e a cumprimento da lei nas complexas cadeias de suprimento de commodities na Amazônia. Isso inclui o desenvolvimento de uma nova abordagem para dimensões analíticas e métricas — combinando o que já é regra para alguns com boas práticas, mas que ainda precisam ser adotadas pela maioria — para reduzir o desmatamento ilegal e promover práticas sustentáveis. 

O comércio global de commodities está repleto de desmatamento ilegal, danos ambientais e crimes. Existe um reconhecimento cada vez maior entre consumidores e no setor privado — de corretores a investidores — de que o agronegócio precisa se tornar mais verde e limpo. Isso é particularmente importante para a Amazônia, que abriga quase 60% das florestas tropicais do mundo e é uma grande fonte de riqueza natural. À medida que a agricultura continua a se disseminar em florestas nativas, cresce o risco de a Amazônia ultrapassar um ponto de não-retorno e ter uma morte catastrófica.

Os desafios persistentes para prevenção de práticas ilegais e danos ambientais estão delineadas no Working Paper Green, Clean and Safe Analytical Dimensions and Metrics for 21st Century Brazilian Agriculture (disponível em inglês).

 

Leia a publicação (em inglês) Segurança Climática no Igarapé

 

O Instituto Igarapé utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e nossos Termos de Uso e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.