Relações perigosas

Por Ilona Szabó

Para a Folha de S.Paulo

É preciso atenção quando representantes do braço armado do Estado querem também o poder da caneta. As eleições de 2020 vão ficar marcadas não apenas por acontecerem em meio a uma pandemia, mas também pela guinada no número de candidatos policiais e militares. A legitimidade das demandas dessas categorias não devem impedir que se enxergue os riscos que esse fenômeno representa.

Um total de 7.258 integrantes de forças de segurança são candidatos este ano, de acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020, lançado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública no último domingo (18). Dentre esses, 371 bombeiros militares, policiais militares, policiais civis e militares reformados tentam uma vaga nas prefeituras do país, número que representa um recorde em 16 anos.

Leia o artigo