Pepitas de ouro e de sangue

ilona szabo 03

Publicado na Folha de S.Paulo

Por Ilona Szab

Uma parte significativa do ouro consumido e exportado pelo Brasil está manchada por violência. São pepitas de ouro banhadas em sangue de povos indígenas, em um cenário que se torna mais preocupante com o avanço do garimpo ilegal. Qualquer semelhança com os diamantes de sangue da África não é mera coincidência.

As etnias yanomami, kayapó e munduruku, em particular, vêm sofrendo ameaças e pressão crescentes de garimpeiros e grileiros. Como me contou em conversa recente a chefe das guerreiras munduruku, Alessandra Korap, a situação se agravou nos últimos dois anos. Houve um aumento de 363% de área degradada pelo garimpo na Terra Indígena (TI) Munduruku, no Pará, nesse período.

Leia mais

O Instituto Igarapé utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com a nossa Política de Privacidade e nossos Termos de Uso e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.