Hackathon propõe soluções tecnológicas para cidades em evento no Rio

Maratona de programação de softwares organizada pelo Instituto Igarapé em parceria com Zoom será realizada durante o festival ColaborAmerica entre os dias 23 a 25 de novembro

 

Segurança pública é muito mais do que policiamento e encarceramento. Soluções tecnológicas inovadoras têm ajudado governos e sociedade civil na construção de cidades mais seguras e inteligentes, fortalecendo a comunidade e a democracia. Pensando nisso, o Instituto Igarapé realiza uma maratona de programação – conhecida como hackathon – para desenvolver soluções inovadoras para cidades mais resilientes e integradas. O evento, chamado “Cidades Seguras”, acontece entre os dias 23 e 25 de novembro.

hackathon Cidades Seguras fará parte da programação do ColaborAmerica, o maior festival de novas economias da América Latina, que discute inovação, tecnologia e modelos alternativos de economia. A iniciativa é co-financiada pelo Instituto e pelo Zoom, site e app comparador de preços e produtos.

Cidades Seguras vai reunir 25 pessoas inovadoras (chamadas hackers) para discutir com especialistas em gestão e segurança pública os diversos fatores que causam a insegurança e violência. O objetivo é criar coletivamente soluções, iniciativas e políticas públicas para tornar nossas cidades mais seguras.

Busca por diversidade para novas propostas

Ideias inovadoras e efetivas precisam ter em conta a diversidade que compõe as cidades. Por isso, o hackathon Cidades Seguras conta com o apoio de grupos que promovem a tecnologia entre mulheres e em bairros de baixa renda, incluindo o Datalabe, do Rio de Janeiro, e Minas Programam de São Paulo. Esses grupos apresentam propostas criativas baseadas em desafios reais para diversos públicos das cidades onde atuam.

Programação inclui sessões sobre segurança pública e inovação

No primeiro dia do evento, hackers se reúnem com especialistas de segurança pública para compreender os fatores sociais que causam a violência, e pensar iniciativas que promovem a segurança.

No mesmo dia, o Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS-Rio) fará uma apresentação sobre blockchain para aplicações cívicas, demonstrando o caso do aplicativo Mudamos.

O primeiro dia do evento tem ainda oficinas e apresentações para informar e inspirar os participantes. Os temas incluem dados sobre violência na Favela da Maré (apresentados pelo DataLabe), e metodologias que ajudarão os hackers a estruturarem e apresentarem as suas inovações.

No segundo dia, hackers trabalham as suas ideias em grupos, apoiados por mentores do Instituto Igarapé e mentoras do Minas Programam.

No terceiro e último dia, os participantes expõem as ideias concebidas coletivamente a um júri, que escolherá as duas melhores. A cerimônia de premiação será no palco principal do ColaborAmerica, com transmissão ao vivo. Os vencedores receberão um prêmio em dinheiro e terão a oportunidade de apresentar suas soluções no ano que vem em um evento em SP organizado pelo Columbia Global Centers RJ.

A expectativa dos organizadores é que o ColaborAmerica mobilize um público de mais de 6 mil pessoas ao longo dos três dias de evento.

A entrada é gratuita, e as inscrições para assistir às discussões podem ser feitas online.

Igarapé no ColaborAmerica2017

Além do hackathon Cidades Seguras, o Igarapé também participará do ColaborAmerica 2017 na mesa de debate A guerra que é a guerra às drogas. A pesquisadora Ana Paula Pellegrino participará do evento, que será realizado na quinta (23), a partir das 10h30.

SERVIÇO

Data: 23, 24 e 25 de novembro de 2017

Horário: das 10h às 18h

Local: Hub RJ, Av. Prof. Pereira Reis – Santo Cristo – RJ

A entrada no ColaborAmerica é gratuita, mediante inscrição. Para se inscrever, acesse:  https://www.eventbrite.com.br/e/colaboramerica17-registration-39034316692