Forças Armadas treinam civis enviados a países instáveis

 

Curso foi desenhado em parceria com o Instituto Igarapé

De 11 a 14 de dezembro acontece a terceira edição do Estágio de Preparação de Civis para Atuação em Ambientes Instáveis (EPCAAI), curso que apoia o preparo de profissionais brasileiros para trabalhar com cooperação prestada, atividades de desenvolvimento internacional e assistência humanitária em países em crises ou egressos de conflitos. O treinamento será realizado nas instalações do Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), localizado na Vila Militar do Rio de Janeiro. A iniciativa é coordenada pelo CCOPAB e tem apoio do  Instituto Igarapé.

Aulas de negociação e tomada de refém, exercícios práticos de orientação, primeiros socorros e simulação com gás lacrimogêneo fazem parte do programa. Dezesseis especialistas participam este ano. Desde sua primeira edição, em 2014, o treinamento já apoiou o preparo de cerca de 70 brasileiros, entre promotores, juízes, técnicos da Embrapa, oficiais da ABIN e agentes da Polícia Federal, além de profissionais da sociedade civil que trabalhem em contextos de conflito ou violência, como o Igarapé e a ActionAid. A turma de 2017 também inclui agentes penitenciários e pesquisadores de campo.

Mudança de perspectiva

Na década de 1990 houve uma considerável mudança na forma de atuação de civis em missões nos países vulneráveis. Além do crescimento numérico, houve também uma mudança qualitativa nos papéis desempenhados, agora não restritos a funções de apoio.

“Desde 2009, fazemos pesquisa sobre capacidade civil, isto é, a capacidade de um governo ou organização tem de recrutar, preparar e enviar especialistas civis para atuar em países instáveis, e fizemos recomendações para a realização do curso no Brasil. Em 2011, fizemos uma parceria com o MRE e com o CCOPAB. Nesse meio tempo, organizamos eventos para conscientizar funcionários públicos federais e outros profissionais sobre a importância do tema”, relata a coordenadora do Programa de Consolidação de Paz do Instituto Igarapé, Eduarda Passarelli Hamann.

Além de ter sido planejado e executado em parceria com o Instituto Igarapé, o curso do CCOPAB também conta com forte apoio de outras unidades militares, a exemplo da Escola de Instrução Especializada do Exército Brasileiro, e de forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro, como a Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros. O Ministério das Relações Exteriores também apoia a iniciativa.

Saiba mais sobre o preparo de civis enviados a missões

À Margem do Perigo: preparo de civis brasileiros para atuação em países instáveis, pesquisa de Eduarda Hamann publicada pelo próprio Igarapé. A pesquisa recorreu a dez outros modelos implementados nos seguintes países: Alemanha, Austrália, Canadá, Estados Unidos, Finlândia, França, Japão, Noruega, Reino Unido e Suécia.

Sobre o Instituto Igarapé

O Instituto Igarapé é um think and do tank independente, dedicado às agendas da segurança, da justiça e do desenvolvimento. É uma das principais organizações brasileiras nos temas políticas de drogas, segurança cidadã e cooperação internacional. Seu objetivo é propor soluções inovadoras a desafios sociais complexos, por meio de pesquisas, novas tecnologias, influência em políticas públicas e comunicação.

www.igarape.org.br

Estágio de Preparação de Civis para Atuação em Ambientes Instáveis
De 11 a 14 de dezembro
Nas instalações do CCOPAB
CCOPAB: AV. Duque de Caxias, 700 – Deodoro, Rio de Janeiro