EVA: mulheres contra a violência

Ao menos 1,2 milhão de mulheres sofreram violência no Brasil entre 2010 e 2017. Para revelar o escopo e a escala da violência contra as mulheres e melhorar as respostas dos poderes públicos, o Instituto Igarapé lançou uma nova plataforma de visualização de dados. Produzida em parceria com a UBER, a EVAEvidências sobre Violências e Alternativas para mulheres e meninas – é um repositório de dados que acompanha padrões e tendências na América Latina.

EVA é uma ferramenta que apresenta dados de mais de 9.000 cidades em todo o Brasil, Colômbia e México (por exemplo, métricas sobre impactos físicos, sexuais e psicológicos). Esses três países foram selecionados porque concentram 65% de todos os homicídios na América Latina. EVA também fornece informações detalhadas mostrando como os direitos das mulheres e meninas evoluíram nesses três países e em todo o mundo.

A plataforma foi lançada no Brasil em 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher. Também estão planejados lançamentos para a Colômbia e o México em janeiro de 2020. Em sua primeira semana, o EVA foi visualizado mais de 1.300 vezes e foi mencionado em mais de 110 matérias na mídia brasileira, incluindo o Jornal Nacional; O Globo, no qual foi matéria da capa e ocupou uma página inteira; Globo News; Bom dia Brasil; Valor Econômico, CBN, Bom Dia Rio, entre vários outros.

Nas nossas redes sociais, EVA alcançou mais de 15.600 usuários no Facebook e mais de 67.400 no Twitter. Também foram publicados artigos de opinião no Globo, escrito por Renata Giannini, Dandara Tinoco e Terine Husek, pesquisadoras do Igarapé, e na Folha de S.Paulo, por Ilona Szabó, diretora. EVA também foi pautada por jornalistas respeitados, incluindo Maju Coutinho, apresentadora do Jornal Hoje; Djamila Ribeiro, escritora e filósofa; e Miriam Leitão.

Confira a plataforma