Desconstruindo a segurança cibernética no Brasil: ameaças e respostas

 

Dezembro, 2014

 

O espaço cibernético brasileiro enfrenta diversas ameaças digitais, que vão desde pequenos golpes aplicados contra usuários de Internet, empresas e bancos – os tipos mais comuns no país – até a ciber-espionagem internacional voltada contra órgãos do Estado. Mas ao invés de focar na criminalidade nacional e internacional motivada por interesses econômicos, que atinge diretamente os cidadãos e instituições, o governo vem investindo e fortalecendo suas capacidades de combater a guerra e o terrorismo cibernéticos. É o que revela o Artigo Estratégico 11, “Desconstruindo a segurança cibernética no Brasil: Ameaças e respostas” .

Os autores Robert Muggah, Misha Glenny e Gustavo Diniz apontam que o Brasil está militarizando esta esfera pública por meio, principalmente, das Forças Armadas. A peça central do governo é o Centro de Defesa Cibernética do Exército (CDCiber). No entanto, uma resposta militarizada ao problema das ameaças digitais pode ser desproporcional e inadequada para se enfrentar os riscos digitais que já atingem a sociedade brasileira como um todo. Isto tem consequências profundas na alocação dos recursos escassos para o setor e no desenho de políticas e diretrizes institucionais eficazes.

VER PDF