CRIMERADAR

O Instituto Igarapé está desenvolvendo CrimeRadar, uma plataforma de mapeamento de manchas criminais em tempo real para uso das polícias. A ferramenta vai melhorar a eficiência e reduzir custos da polícia. No centro do CrimeRadar, está um algoritmo que processa dados atuais e históricos a partir de registros de boletins de ocorrência e de chamadas feitas ao 190, o número para emergências da polícia, gerando mapas com a mancha criminal. A solução utiliza modelos de regressão e técnicas de aprendizado de máquina para determinar horários e dias da semana com maior probabilidade de ocorrências policiais, em quadrantes de 500 x 500 metros da cidade.

Contexto

Durante as Olimpíadas do Rio de 2016, o Instituto Igarapé desenvolveu o rio.CrimeRadar, uma plataforma digital que usava aprendizado de máquina para calcular taxas de criminalidade em diferentes bairros da cidade do Rio de Janeiro. O software processava mais de cinco anos de dados sobre crimes coletados pelo Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro para determinar os riscos relativos de crimes para a próxima semana. O aplicativo foi concebido e desenvolvido pelo Instituto Igarapé, em colaboração com a Via Science e a Mosaico.
Atenção: o aplicativo continua no ar para simples visualização. Porém, os dados não estão sendo atualizados, e as previsões tendem a perder relevância ao longo do tempo.

Por que usar o CrimeRadar?

Pesquisas mostram que crimes violentos e crimes contra a propriedade não são apenas altamente concentrados em locais específicos (ou hotspots), mas também tendem a ocorrer em intervalos previsíveis. Há fortes evidências de que quando o nível de crime é reduzido nesses hotspots, a taxa criminal na cidade como um todo também pode registrar redução significativa.

Atualmente, o Igarapé vem desenvolvendo o CrimeRadar para uso exclusivo das polícias. O software permite às corporações policiais integrar dados de localização geográfica (GPS) das guarnições, e aos comandantes visualizar mapas em tempo real com as posições dos policiais bem como os locais onde a probabilidade de crime é maior. Além disso, quando os dados de GPS não estiverem disponíveis, um aplicativo de smartphone é fornecido para rastrear a localização dos policiais. A solução pode ser usada pelas polícias como uma solução de baixo custo para rastrear os locais das viaturas, carros de bombeiros e ambulâncias.

Ao aumentar a consciência situacional, o CrimeRadar pode melhorar o planejamento e a alocação de recursos da polícia, contribuindo para:

  1. Redução do tempo médio de resposta a ocorrências
  2. Redução de mortes e incidentes de crimes
  3. Melhoria na confiança, legitimidade e autoridade da polícia

Desenvolvimento

O Instituto Igarapé formalizou uma parceria com a Polícia Militar do Santa Catarina e com pesquisadores da Universidade de Warwick, no Reino Unido, para desenvolver e testar o CrimeRadar como ferramenta de auxílio ao planejamento operacional policial.
Os pilotos da CrimeRadar ocorrerão em 2019 em cidades selecionadas em Santa Catarina. Um Experimento Aleatorizado será implementado em 2020 para avaliar a eficácia do CrimeRadar no planejamento de patrulhas e operações programadas. Serão avaliadas mudanças nos níveis de criminalidade, tempos médios de atendimento e confiança pública na polícia. Os resultados do estudo serão publicados em jornais acadêmicas e apresentados em uma mesa redonda com especialistas em criminologia, direitos civis, direitos digitais e outras áreas relacionadas.
Além disso, o Instituto garantiu recursos para replicar a iniciativa na África do Sul, a partir do segundo semestre de 2019. O projeto envolverá duas fases: (i) desenvolver e pilotar o aplicativo com uma Polícia Metropolitana desse país; e (ii) ampliar a iniciativa com até cinco pilotos no Brasil, na África do Sul e em outros locais.

Transparência e licenciamento

O CrimeRadar poderá ser disponibilizado para outras corporações policiais mediante solicitação. Para usar a ferramenta, a corporação policial deverá obedecer a padrões rígidos de transparência e prestação de contas. O Instituto Igarapé apoiará as polícias para garantir que os padrões sejam cumpridos.

Os requisitos são apresentados abaixo, juntamente com a instituição responsável. Estes requisitos seguem as recomendações do grupo de trabalho FAT / ML:

    • Responsabilidade – Disponibilizar vias de reparação externas visíveis para efeitos individuais ou sociais adversos de um sistema de previsão algorítmica, e designar um papel interno para a pessoa responsável pelo remédio oportuno de tais questões. (instituição responsável: Departamento de Polícia)
    • Explicabilidade – Garantir que as previsões algorítmicas, bem como quaisquer dados que conduzam essas previsões, possam ser explicadas aos usuários finais e outras partes interessadas em termos não técnicos. (instituição responsável: Departamento de Polícia)
    • Precisão – Identifique, registre e articule fontes de erro e incerteza em todas as fontes de dados, para que as implicações esperadas e piores no caso possam ser compreendidas e informar os procedimentos de mitigação. (instituição responsável: Departamento de Polícia)
    • Equidade – Assegure-se de que as previsões algorítmicas não criem impactos discriminatórios ou injustos ao compararem dados demográficos diferentes. (instituição responsável: Departamento de Polícia)
    • Auditabilidade – Ative os terceiros interessados a investigar, entender e analisar o comportamento do algoritmo através da divulgação de informação que permite o monitoramento, verificação ou críticas, incluindo através do fornecimento de uma documentação detalhada, APIs tecnicamente adequados, e permissiva termos de uso. (instituição responsável: Instituto Igarapé)
CLIQUE PARA VER MAIOR

Citado por