A Iniciativa Latino-Americana sobre Drogas, Violência e Democracia está abrigada no Instituto Igarapé e tem o compromisso de levar adiante discussões e ações abertas e baseadas em evidências. A Iniciativa foi criada para mobilizar novas formas de pensar e soluções inovadoras que promovam políticas progressistas nos campos das drogas, da prevenção da violência e da boa governança nas Américas.

Lançada em 2017, a Iniciativa é presidida pelo ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso. Surgiu a partir da bem-sucedida criação e presidência de Fernando Henrique na Comissão Global de Política sobre Drogas (2011-2016) e na Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia (2008-2010). A Iniciativa representa uma continuação e um aprofundamento do seu trabalho nas Américas.

Entre 2017 e 2019, a Iniciativa estará comprometida com as seguintes atividades:

  • Defender a implementação de políticas progressistas sobre drogas: incluindo a promoção da descriminalização do uso de drogas; o apoio a estratégias de redução de danos e oferecimento de opções de tratamentos para viciados em drogas; e o fortalecimento de esforços dedicados à experimentação com formas diferentes de regulação variando conforme o dano causado por cada droga.
  • Fortalecer meios de prevenção da violência baseados em dados: consiste em defender planos abrangentes de redução de homicídios; estabelecer metas ousadas e índices que ajudem a guiar as medidas de prevenção da violência; e apoiar estratégias de redução da impunidade, além de aumentar a responsabilidade sobre o tema.
  • Promover lideranças responsáveis: lideranças sensíveis e inclusivas são fundamentais para a segurança e o desenvolvimento. Um dos focos da Iniciativa é mobilizar jovens líderes nas esferas governamental, empresarial e da sociedade civil, além de estimular novas formas de consolidação democrática.

A Iniciativa vai gerar uma série de produtos dedicados à promoção da transformação social, como publicações, editoriais e visualizações de dados. Também irá mediar eventos públicos e fechados para ajudar a promoção de novas formas de pensar não só para aqueles que tomam as decisões, como para a população em geral.