Eduarda Passarelli Hamann é advogada, tem mestrado e doutorado em relações internacionais pelo IRI/PUC-Rio e, desde 2001, trabalha com paz e segurança internacional. Suas principais áreas de interesse incluem operações de manutenção da paz, missões multidimensionais (civis, policiais e militares), política externa brasileira, organismos internacionais, responsabilidade de proteger e ao proteger, e cooperação sul-sul.

Ela é pesquisadora sênior e Assessora Especial do Instituto Igarapé. Nos últimos anos, também esteve envolvida com atividades docentes em cursos de graduação e pós-graduação de relações internacionais na Fundação Getúlio Vargas (MBA), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (graduação) e Universidade Cândido Mendes (MBA). Também teve oportunidade de lecionar em escolas de diplomatas e militares, como o Instituto Rio Branco e a Academia Militar das Agulhas Negras, no Brasil, e o Foreign Service Institute, nos EUA. Paralelo às atividades docentes, fez pesquisa e prestou serviços de consultoria para diversas instituições brasileiras e internacionais, governamentais e não-governamentais, como o Banco Mundial, o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Viva Rio e Canal Futura.

Além dos artigos e relatórios lançados pelo Instituto Igarapé que tratam dos temas supra-mencionados, suas publicações externas mais recentes incluem reflexões sobre o perfil do Brasil em 70 anos de participação em operações da ONU (Konrad Adenauer 2017, Military Review 2016), reforma do Conselho de Segurança da ONU a partir de uma perspectiva brasileira (Military Review 2015), especialistas civis brasileiros que trabalham em contextos instáveis (IPEA 2013), e “responsabilidade de proteger” e “ao proteger” (SAIIA/ISS, out.2012; NOREF, set.2012 e CEBRI, set.2012).

In addition to articles and reports issued by the Igarapé Institute dealing with the aforementioned themes, her most recent publications include reflections on Brazil’s profile in 70 years of participation in UN operations (Konrad Adenauer 2017, Military Review 2016), reforming the UN Security Council from a Brazilian perspective (Military Review 2015), Brazilian civilian experts working in unstable contexts (IPEA 2013), and “responsibility to protect” and “while protecting” (SAIIA / ISS, Oct.2012; NOREF, Sep.2012 and CEBRI, Sep.2012).